Telefones da Rádio Veredas FM

(37) 3261 - 1054 / (37) 3261 - 1417

WhatsApp da Rádio Veredas FM

(37) 9 9194 - 8888

Ouvir ao vivo a Rádio Veredas FM
Assitir Ao Vivo a Rádio Veredas FM
Ao Vivo na Rádio Veredas FM

Grande Sertão Veredas

Fernando Castro
DÓLAR EM ALTA

NOTÍCIAS

Dólar ultrapassa R$ 3,70 e registra maior valor em dois anos

17/05/2018 - 23:56

Foto: Arquivo - Agência Brasil

Pelo quinto dia útil consecutivo, a cotação do dólar comercial fechou em alta, dessa vez de 0,61%. Com isso, o preço de venda da moeda norte-americana terminou o dia em R$ 3,701, o maior valor em 26 meses. Na máxima do dia, a moeda chegou a valer R$ 3,713. A alta do dólar ocorre um dia depois do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) decidir manter os juros básicos da economia brasileira em 6,5% ao ano, numa tentativa de lidar com o aumento da volatilidade internacional de capitais e evitar a retirada de investimentos do país.

A desvalorização do real também pode ter influenciado a decisão do BC de manter a taxa Selic no mesmo patamar, uma vez que dólar mais caro pode significar aumento da inflação no médio prazo, devido ao encarecimento de produtos e serviços importados em moeda estrangeira.

O dólar turismo, que é aquele comprado quando alguém faz uma viagem internacional, estava sendo vendido a R$ 3,86 ao fim do pregão. No cartão pré-pago, no entanto, as casas de câmbio estavam vendendo a pelo menos R$ 4,06, já incluindo taxas como o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF).  

A alta do dólar ocorre mesmo com ajustes na atuação do Banco Central no mercado de câmbio nos últimos dias. O órgão alterou leilões de contratos de swaps cambiais, equivalentes à venda de dólares no mercado futuro, passando a renovar contratos que tinham vencimento em junho. Com isso, o BC iniciou a oferta diária de rolagem integral de 4.225 contratos. Além disso, passou a fazer a oferta adicional de 5 mil novos contratos ao longo do mês e não apenas ao final, como estava previsto. A ideia, com isso, é manter aplicações em dólar no país, evitando a fuga da moeda que impacta na desvalorização do real.

* Colaborou Elaine Patrícia Cruz, de São Paulo

FONTE:

Agência Brasil

CURTA E COMPARTILHE

DEIXE SEU COMENTÁRIO